Anarquistas, em geral, não votam, mas…

setembro 20, 2018

Anarquistas, em geral, não votam, por acreditar que as eleições são um jogo de cartas marcadas. Como anarquista, eu também acredito nisso. Mas, como anarquista, também acredito que o mais importante para um anarquista é a liberdade de agir como quiser, e de discordar, inclusive dos conceitos básicos do anarquismo. Por isso, eu, anarquista, muitas vezes compareço às urnas para exercer aquilo que alguns classificam como “voto útil”, ou, como eu chamo, “voto necessário”. Este ano, sem dúvida alguma, irei às urnas votar contra a ascensão do nazi-fascismo no Brasil (BOÇALnaro) . Como diz meu grande amigo e orientador, o Professor de História Romyr Garcia, “a esquerda brasileira [e os DEMOCRATAS brasileiros, sejam ou não de esquerda!] não pode cometer o mesmo erro de subestimar o perigo que o BOÇALnaro representa, como a esquerda alemã [e o povo alemão!] nos anos de 1930 cometeu, subestimando o perigo representado por Adolf Hitler.

Anúncios

Palavras de Zygmunt Bauman, um dos sociólogos mais importantes da contemporaneidade:

setembro 20, 2018

Palavras de Zygmunt Bauman, um dos sociólogos mais importantes da contemporaneidade: “A busca da felicidade não deve ser atrelada a indicadores de riqueza, pois isso apenas resulta numa erosão do espírito comunitário em prol de competição e egoísmo. A prosperidade hoje em dia está sendo medida em termos de produção material, e isso só tende a criar mais problemas.”

AFINAL, COMO SURGIU E O QUE ERA O NAZISMO?

setembro 20, 2018

AFINAL, COMO SURGIU E O QUE ERA O NAZISMO? – Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado, Mestre em Ciências Sociais.

Sustentabilidade e Democracia

ab3d532929ceb2840ce498cf57c8ed9d (2)Foto: Portão de entrada do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia

Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado, mestre em ciências sociais

Provavelmente este seja um dos assuntos com mais informações disponíveis nos meios de comunicação, tanto na internet, como jornais, revistas e televisão. Existem ótimos documentários da BBC, Discovery,History e National Gegraphic sobe o assunto. Todavia, isto não impediu que o Brasil virasse vergonha e piada mundial em razão de comentários equivocados de um grupo direitista tentando distorcer os fatos, ao ponto da Deutsch Welle, rede de notícias estatal alemã, ter publicado farto material sobre o assunto e corrigindo os equívocos.

O nazismo foi um movimento político da extrema-direita alemã com algumas características específicas, o qual conduziu a humanidade à Segunda Guerra Mundial e ao Holocausto. Foram seus traços marcantes: nacionalismo exacerbado e alienado, o antissocialismo, o antimarxismo e o anticomunismo, o racismo…

Ver o post original 1.006 mais palavras

Ainda existem estúpidos que defendem ditadura, censura, perda das liberdades, armamentismo…

setembro 19, 2018
Ainda existem estúpidos que defendem ditadura, censura, perda das liberdades, armamentismo
Ainda existem ignorantes inconscientes e analfabetos políticos que pretendem votar em proto-ditadores, que só estão concorrendo nestas eleições porque os combatentes pela liberdade puseram fim a uma terrível ditadura militar há trinta anos, ditadura que esta que, além de perseguir e matar os cidadãos, censurar a cultura e a imprensa, também PROIBIA ELEIÇÕES.
Sinceramente, não sei se tenho mais pena ou ojeriza dos apoiadores destes boçais (BOÇALnaro e seus bolsominions).

Dizem-se cristãos, mas…

setembro 16, 2018

Dizem-se cristãos, mas apoiam e defendem medidas de repressão violenta, de armamentismo e até a pena de morte! Jesus Cristo, ao contrário disso, pregou e ensinou o pacifismo! Eu sou pacifista.

Dizem-se cristãos, mas segregam, discriminam e até agridem e matam quem é diferente, quem tem outras crenças (ou nenhuma!), ou quem tem outras opções de estilo de vida. Jesus Cristo, ao contrário disso, pregou e ensinou a compreensão e a aceitação dos outros, quem quer que sejam e como quer que sejam! Eu aceito e defendo a liberdade de cada pessoa ser diferente como quiser.

Dizem-se cristãos, mas cobiçam e acumulam bens materiais, apoiam e defendem a competição, a ambição e o egoísmo do modo de vida capitalista, da selvagem “lei do$ mai$ forte$”. Jesus Cristo, ao contrário disso, condenou o egoísmo, a acumulação de bens e riquezas! Jesus Cristo, como todo mundo sabe, pregou e ensinou a distribuição e a comunhão dos  bens! Eu sou contra a acumulação de bens e riquezas e sou a favor da distribuição e da comunhão dos  bens.

Moral da história: Eu, que sou cético agnóstico, sou muito mais cristão do que muitos dos que se dizem cristãos!

 

É consciência e compaixão!

setembro 16, 2018
Só nós, defensores dos animais, sabemos o quanto sofremos num mundo povoado de gente insensível, que mal se preocupa com seres humanos, menos ainda com seres indefesos, mais puros e inocentes do que os humanos.
Falando por mim mesmo, é muito sofrimento e muita REVOLTA!
Mas não o fazemos porque o queremos, é um imperativo da CONSCIÊNCIA! (Paulo Sisinno)

O desequilibrado insano que acha que violência é solução…

setembro 12, 2018

O desequilibrado insano que acha que violência é solução está se recuperando do ataque armado que sofreu de outro desequilibrado insano que acha que violência é solução.

Il golpe del 2016 ha interrotto la costruzione del Brasile

setembro 11, 2018

Leonardo Boff: Il golpe del 2016 ha interrotto la costruzione del Brasile” – 08/09/2018

Osservatore attento ai processi e di trasformazioni dell’economia mondiale in contrappunto con quella Brasiliana, Celso Furtado, uno dei nostro migliori nomi in economia politica, ha scritto in un suo libro Brasile: la costruzione interrotta (1993):

“In mezzo millennio di storia, partendo da una costellazione di fattorie, di popolazione indigene miserabili, di schiavi trapiantati da un altro continente, di avventurieri europei e asiatici in cerca di un destino migliore, siamo arrivati a formare un popolo straordinario per polivalenza culturale, un paese che non ha confronti quanto ad ampiezza territoriale e omogeneità linguistica e religiosa. Ma ci manca l’esperienza di prove cruciali, come le conoscono altri popoli la cui sopravvivenza è arrivata a essere minacciata. Noi non ignoriamo che il tempo storico si accelera e che il computo di questo tempo si fa contro di noi. Si tratta di sapere se abbiamo un futuro come nazione che conta nella costruzione del devenire umano. Oppure se prevarranno le forze che si impegnano a interrompere il nostro processo storico di formazione di uno Stato-nazione” (Paz e Terra, Rio de Janeiro 1993, p.35).

L’attuale società brasiliana, bisogna riconoscerlo, ha conosciuto progressi significativi sotto i governi del Partido dos Trabalhadores (PT) e dei suoi alleati. Mai era avvenuta in passato una cosa del genere nelle fasi storiche egemonizzate dalle oligarchie tradizionali che sempre avevano mantenuto i poteri dello Stato, mai avevano avuto un progetto di nazionalità, ma solamente il proposito corporativo di arricchimento illimitato. Ora in un Stato post–democratico e di eccezione sta avvenendo celermente lo smontaggio di queste politiche con aumento delle sofferenze del popolo.

Ci siamo avvicinando a quello che Celso Furtado chiamava “prove cruciali”. Forse come mai prima in passato nella nostra storia, abbiamo raggiunto questo livello critico delle “prove” come attualmente dopo il golpe del 2016. Data l’accelerazione della storia, spinta dalla crise sistemica mondiale, saremo forzati a prendere una decisione: o approfittiamo delle opportunità di questo momento, riaffermando la nostra sovranità e garantendo il nostro futuro autonomo oppure le sciupiamo e vivremo trascinati al distino sempre deciso da loro che vogliono condannarci a essere soltanto il fornitori dei prodotti della natura e ancora una volta ricolonizzarci.

Noi non possiamo accettare questa strana divisione internazionale del lavoro. Dobbiamo riprendere il sogno di alcuni dei nostri migliori analisti del calibro di Darcy Ribeiro, Luiz Gonzaga de Souza Lima e de Celso Furtado, de Jessé Souza insieme ad altri che avevano proposto una reinvenzione o sia la rifondazione del Brasile su basi nostre, gestite dal nostro saggio di civiltà, talmente ingrandito e riconosciuto mondialmente.

Questi desiderata sono stati profondamenti feriti dal golpe parlamentare che dietro di loro stanno i classi dominanti internazionalizzate che tentano di imporre un’agenda politica di un neoliberalismo radicale che restituisca a loro i previlegi storici, minacciati dalle politiche sociali popolari che hanno strappato alla miseria e alla invisibilità milioni di Brasiliani poveri.

Il sogno di una reinvenzione e rifondazione del Brasile non può andare perduto e nemmeno sepolto dalla voracità distruttrice dei padroni della ricchezza, del potere e del sapere. Il tempo utile è già passato. È cresciuta una nuova coscienza politica, specialmente dei movimenti sociali popolari che si contano a centinaia. E qui la questione è ancora la stessa: che Brasile vogliamo (cf. L.Boff, Concludere la rifondazione o pure prolungare la dipendenza, 2018)? come andiamo a costruirlo insieme? Con quali forze e alleati possiamo contare per questo compito gigantesco?

Potranno questi fungere da levatrici di una cittadinanza nuova-la co-cittadinanza e la cittadinanza ecologica e terrestre- che articola il cittadino con lo Stato, il cittadino con un altro cittadino, quella nazionale e quella mondiale, che aiuta così a modellare il divenire umano? O esse diventeranno complici di quelli forze che non sono interessati alla costruzione del progetto-Brasile perché si propongono di inserire Brasile nel progetto mondo globalizzato in posizioni subalterne e dipendente con i vantaggi ricavati. Questo è infatti il progetto di coloro che hanno fatto il golpe parlamentare, giuridico e mediatico nel 2016.

La attuale crisi Brasiliana ci spinge a decidere non quale partito appoggiamo, ma da che parte staremo. La situazione è urgente, poiché, come avvertiva preoccupato Celso Furtado: “tutto indica che non è differibile l’operazione progetto nazionale” (op.cit. 35). Ma non vogliamo accettare come fatale questa severo avvertimento. Ancora c’è spazio, in queste elezioni, per cambiamenti che possono riorientare nuovamente il paese sul sentiero giusto specialmente adesso che con la crisi ecologica si ha trasformato in un peso decisivo della bilancia e dell’equilibrio dal pianeta Terra. È importante a credere nella nostra missione planetaria.

Tutto sta a reclamare una rifondazione del Brasile su altri basi perché quelle attuali sono anti-popolo, costruite da persone che non rispettano la natura, sfruttatrice dei beni pubblici, violatrice della sovranità nazionale e negatrice di un futuro migliore.

Leonardo Boff escreveu: Brasil, Concluir a refundação ou prolongar a dependência, Vozes 2018.

Traduzione di Romano Baraglia e Lidia Arato.

Leonardo Boff

Osservatore attento ai processi e di trasformazioni dell’economia mondiale in contrappunto con quella Brasiliana, Celso Furtado, uno dei nostro migliori nomi in economia politica, ha scritto in un suo libro Brasile: la costruzione interrotta (1993):

“In mezzo millennio di storia, partendo da una costellazione di fattorie, di popolazione indigene miserabili, di schiavi trapiantati da un altro continente, di avventurieri europei e asiatici in cerca di un destino migliore, siamo arrivati a formare un popolo straordinario per polivalenza culturale, un paese che non ha confronti quanto ad ampiezza territoriale e omogeneità linguistica e religiosa. Ma ci manca l’esperienza di prove cruciali, come le conoscono altri popoli la cui sopravvivenza è arrivata a essere minacciata. Noi non ignoriamo che il tempo storico si accelera e che il computo di questo tempo si fa contro di noi. Si tratta di sapere se abbiamo un futuro come nazione che conta nella costruzione del devenire…

Ver o post original 655 mais palavras

Independência… de quê? De quem?

setembro 7, 2018

Independência… de quê? De quem? Se não nos livramos ainda nem do nosso “complexo de vira-latas” (Nelson Rodrigues), nem de nossa amaldiçoada herança de país/povo colonizado e escravizado, que faz com que à ignorância e falta de cultura adicionem-se o egoísmo alienado e a patética mediocridade pequeno-burguesa, daqueles que acham que não são povo, nem são brasileiros, nem são uns pobres diabos (que são!) porque sempre tem alguém numa situação pior do que eles. Nunca é demais lembrar: nossa classe política não surgiu do nada; não está destacada de nossa sociedade e da população brasileira. Ao contrário; ela é O REFLEXO de todos nós! Somos nós (ou, pelo menos, a maioria) que votamos neles. Eles nos representam e nos espelham! Reflita: se estivesse no lugar deles, VOCÊ faria diferente????

Aniversário do Blog: Postagens Importantes e Históricas

agosto 30, 2018

O mês de agosto marca o aniversário do Blog Sustentabilidade e Democracia. Para comemorar estes quatro anos, uma breve listagem de 10 postagens importantes que marcaram este período, algumas com referencial histórico relevante:

Sustentabilidade e Democracia

loy-krathong-2015-2Foto:Lanternas Chinesas, eterno símbolo de esperança e renovação.

O mês de agosto marca o aniversário do Blog Sustentabilidade e Democracia. Para comemorar estes quatro anos, uma breve listagens de 10 postagens importantes que marcaram este período,  algumas com referencial histórico relevante.

  1. A Esquerda Deve Assumi Papel Ativo na Esfera Institucional e Nas Ruas

Escrito pouco depois das eleições presidenciais de 2014, precisamente no dia 19 de novembro, o artigo narra o risco potencial de golpe de estado parlamentar no país, inclusive apontando como a extrema direita pretendia agir (exatamente igual ao que ocorreu em 2016) e a estratégia de resistência que poderia ser adotada.

Os fatos posteriores foram conhecidos, a esquerda somente adotou ações de precaução quando o golpe estava nas ruas.

https://sustentabilidadeedemocracia.wordpress.com/2014/11/19/a-esquerda-deve-assumir-papel-ativo-na-esfera-institucional-e-nas-ruas/

2. As Verdadeiras Raízes da Corrupção no Brasil

De forma didática, um apanhado dos principais fatores que concretamente permitem a continuidade da corrupção no…

Ver o post original 337 mais palavras