Sob o império do grosseiro e do obsceno

maio 17, 2019

“Sob o império do grosseiro e do obsceno”. https://leonardoboff.wordpress.com

Leonardo Boff

Se há algo a lamentar profundamente hoje em dia nas redes sociais de nosso país é o império da grosseria e da obscenidade.

Essa metáfora já foi usada por outros: parece que as portas e as janelas do inferno se abriram de par em par. Daí saíram os demônios das ofensas pessoais, das injúrias, dos fake news, das mentiras, das calúnias e de toda sorte de palavras de baixíssimo calão. Nem precisaria Freud ter chamado a atenção ao fato de que há pessoas com fixação anal, usando palavras escatológicas e metáforas ligadas a perversões sexuais, pois as encontramos frequentemente nos twitters, nos facebooks, nos youtubes e em outros canais.

A grosseria demonstra a falta de educação, de civilidade, de cortesia e de polidez no trato para com as pessoas. A grosseria transforma a pessoa em vulgar. O linguajar vulgar usa expressões que ferem a sensibilidade dos outros ao seu redor…

Ver o post original 618 mais palavras

Anúncios

“Modelo agroecológico cubano poderia salvar o mundo”, diz escritor indiano

maio 13, 2019

Por Marion Deschamps na TeleSUR

Escritor indiano premiado e defensor dos modelos sustentáveis de agricultura, Raj Patel concedeu recentemente entrevista a emissora TeleSur, em que fala sobre como o modelo agroecológico cubano – que cultiva alimentos mais intensamente, recicla nutrientes através da terra, não cultiva apenas uma única colheita, mas várias, constrói a fertilidade do solo e maneja os recursos hídricos, usando menos fertilizantes e pesticidas – poderia ajudar a tornar o mundo mais sustentável se adotado por outros países.
Por outro lado, avalia que este modelo pode estar ameaçado devido ao fato de que multinacionais pressionam para entrar na ilha com a normalização das relações diplomáticas entre a ilha e os EUA.
Confira a íntegra da entrevista:

FERNANDO GUIDA

Foto: Cuba Debate

Por Marion Deschamps na TeleSUR

Escritor indiano premiado e defensor dos modelos sustentáveis de agricultura, Raj Patel concedeu recentemente entrevista a emissora TeleSur, em que fala sobre como o modelo agroecológico cubano – que cultiva alimentos mais intensamente, recicla nutrientes através da terra, não cultiva apenas uma única colheita, mas várias, constrói a fertilidade do solo e maneja os recursos hídricos, usando menos fertilizantes e pesticidas – poderia ajudar a tornar o mundo mais sustentável se adotado por outros países.
Por outro lado, avalia que este modelo pode estar ameaçado devido ao fato de que multinacionais pressionam para entrar na ilha com a normalização das relações diplomáticas entre a ilha e os EUA.
Confira a íntegra da entrevista:

TeleSur  – Você acha que o futuro do modelo agroecológico em Cuba pode estar comprometido se a normalização das relações diplomáticas com os EUA servir para o setor agrícola…

Ver o post original 836 mais palavras

Microplástico é encontrado em animais no fundo dos oceanos

maio 13, 2019

Microplástico é encontrado em animais no fundo dos oceanos https://blogdoguida.wordpress.com

FERNANDO GUIDA

Cientistas encontram micropartículas de plástico no intestino de pequenos camarões que habitam seis das regiões oceânicas mais profundas do planeta.

Ao menos 5 trilhões de materiais plásticos estão flutuando nos oceanosAo menos 5 trilhões de materiais plásticos estão flutuando nos oceanos

Pesquisadores britânicos descobriram micropartículas de plástico no intestino de animais que habitam algumas das regiões oceânicas mais profundas da Terra, mostrando que a poluição humana não se limita à superfície dos mares e já atingiu os locais mais inacessíveis do planeta.

A maior parte dos estudos existentes sobre poluição plástica se limita a avaliar áreas de superfície devido aos altos custos da exploração do fundo dos oceanos. As pesquisas demonstraram que a contaminação por plástico é generalizada tanto em peixes quanto em tartarugas, baleias e pássaros marítimos.

Mas uma equipe de pesquisadores da Universidade de Newcastle descobriu casos de ingestão de plástico por pequenos camarões vivendo em seis das regiões oceânicas mais profundas do planeta. O estudo foi publicado…

Ver o post original 439 mais palavras

Ecologia in frammenti: tutto è in relazione con tutto

maio 13, 2019

Ecologia in frammenti: tutto è in relazione con tutto
11/05/2019
L’ecologia è diventata il contesto generale di tutti i problemi, i progetti ufficiali e privati. Il futuro del nostro pianeta e della nostra civiltà è collegato ad esso. Da qui deriva la sua inevitabile importanza. O si cambia il nostro modo di abitare nella Casa Comune o possiamo affrontare drammatiche situazioni ecologiche e sociali, tra non molto. Qui ci sono frammenti di un discorso ecologico, parte di un Tutto più grande e ampio.

Leonardo Boff

L’ecologia è diventata il contesto generale di tutti i problemi, i progetti ufficiali e privati. Il futuro del nostro pianeta e della nostra civiltà è collegato ad esso. Da qui deriva la sua inevitabile importanza. O si cambia il nostro modo di abitare nella Casa Comune o possiamo affrontare drammatiche situazioni ecologiche e sociali, tra non molto. Qui ci sono frammenti di un discorso ecologico, parte di un Tutto più grande e ampio.

1. L’irrazionalità del nostro modo di vivere

Il modello della società e il significato della vita che gli esseri umani hanno progettato per se stessi, almeno negli ultimi 400 anni, sono in crisi.

Questo modello ci ha fatto credere che l’importante è accumulare un gran numero di mezzi di sostentamento, ricchezza materiale, beni e servizi per godere del nostro breve passaggio attraverso questo pianeta.

Per raggiungere questo scopo, siamo aiutati dalla scienza che conosce i meccanismi…

Ver o post original 672 mais palavras

O que significa Bolsonaro no poder: Jessé Souza

maio 10, 2019

Compartilhando mais um excelente artigo publicado na página do Leonardo Boff, com a sua introdução: “O que significa Bolsonaro no poder: Jessé Souza
09/05/2019″
Jessé Souza é um dos mais renomados e críticos analistas da sociedade brasileira. Com vasta formação mulltidisciplinar aqui e no estrangeiro, está renovando nossa compreensão das classes sociais, bem diferente daquela tradicional. Seu último livro é auto-explicativo: “As elites do atraso: da escravidão à Lava-Jato“(Leya 2018). Nem rir nem chorar, mas compreender, sentenciava um filósofo. Para compreender, oferecemos aqui, esta interpretação da crise política, social e econômica do Brasil que ajudará o leitor e a leitora a formar a sua leitura da realidade, sob a qual, todos, de alguma forma estamos sofrendo ou estamos, no mínimo, perplexos. [L. Boff]
**********************
Bolsonaro e sua penetração na banda podre das classes populares foi útil para vencer o PT, mas é tão grotesco, asqueroso e primitivo que governar com ele é literalmente impossível: Jessé Souza”
(Clique no linque para ler o texto)

Leonardo Boff

Jessé Souzaé um dos mais renomados e críticos analistas da sociedade brasileira. Com vasta formação mulltidisciplinar aqui e no estrangeiro está renovando nossa compreensão das classes sociais, bem diferente daquela tradicional. Seu último livro é auto-explicativo: “As elites do atraso: da escravidão à Lava-Jato“(Leya 2018). Nem rir nem chorar mas compreender, sentenciava um filósofo. Para compreender, oferecemos aqui, esta interpretação da crise política, social e econômica do Brasil que ajudará o leitor e a leitora a formar a sua leitura da realidade, sob a qual, todos, de alguma forma estamos sofrendo ou estamos, no mínimo, perplexos. LBoff

**********************

Bolsonaro e sua penetração na banda podre das classes populares foi útil para vencer o PT, mas é tão grotesco, asqueroso e primitivo que governar com ele é literalmente impossível :   Jessé Souza

A eleição de Jair Bolsonaro foi um protesto da população brasileira. Um protesto financiado…

Ver o post original 1.453 mais palavras

Os 10 mandamentos para salvar o planeta, a humanidade e a vida: Evo Morales Ayma

maio 8, 2019

Cpt. do Leonardo Boff, com sua introdução:
“Os 10 mandamentos para salvar o planeta, a humanidade e a vida” – Evo Morales Ayma – 05/05/2019

O Presidente da Bolívia, Evo Morales Ayma se notabilizou mundialmente por propor os 10 mandamentos para salvar o planeta, a humanidade e a vida.

Proclamou estes 10 mandamentos num famoso discurso na ONU no dia 22 de abril de 2002 quando foi aprovado unanimemente que este dia, 22 de abril, não seria simplesmente o Dia da Terra mas o Dia da Mãe Terra.

Nestes mandamentos ressoam as vozes dos povos originários como os andinos que muito nos tem a ensinar sobre como tratar a Terra como Mãe e como realizar o “bien vivir” entre todos os humanos e também entre todos os seres da natureza.

Eu estava presente nesta sessão e ouvi seu discurso como um dos mais comoventes já vividos em minha vida.

Começou dizendo:” eu, representante dos povos humildes da Terra, venho de joelhos, pedir a todos que não continuem a maltratar a Mãe Terra que já está doente”.

Para romper esta violência propôs 10 mandamentos de como salvar a Pacha Mama, a humanidade e a vida.

Reproduzimos aqui os 10 mandamentos pois podem inspirar a muitos que se preocupam com a Casa Comum e seu futuro. (L. Boff)

Leonardo Boff

O Presidente da Bolívia, Evo Morales Ayma se notabilizou mundialmente por propor os 10 mandamentos para salvar o planeta, a humanidade e a vida. Proclamou estes 10 mandamentos num famoso discurso na ONU no dia 22 de abril de 2002 quando foi aprovado unanimemente que este dia, 22 de abril, não seria simplesmente o Dia da Terra mas o Dia da Mãe Terra. Nestes mandamentos ressoam as vozes dos povos originários como os andinos que muito nos tem a ensinar sobre como tratar a Terra como Máe e como realizar o “bien vivir” entre todos os humanos e também entre todos os seres da natureza. Eu estava presente nesta sessão e ouvi seu discurso como um dos mais comoventes já vividos em minha vida. Começou dizendo:” eu, representante dos povos humildes da Terra, venho de joelhos, pedir a todos que não continuem a maltratar a Mãe Terra que já está…

Ver o post original 6.327 mais palavras

COMUNICADO DOS EX-MINISTROS DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE:

maio 8, 2019

Este (des)governo Boçalnazi, inimigo da Educação, da Cultura, da Democracia e da Natureza está conseguindo, ao menos, uma coisa boa: está fazendo com que todos os brasileiros pensantes e conscientes se reúnam, todos alarmados com a destruição do Brasil, suas riquezas, sua fauna, sua flora e incontáveis vidas, humanas ou outras.
Agora eles fizeram com que TODOS os ex-ministros do Meio Ambiente se juntassem, preocupados (como eu estou) com a criminosa destruição do Meio Ambiente, promovida pelo calhorda Ricardo Salles, a mando da criminosa quadrilha Boçalnaro, paus-mandados dos criminosos e gananciosos desmatadores fazendeiros, madeireiros, oligarcas dos agronegócios, todos eles destruidores da sagrada Vida, em todas suas formas: vegetal e animal, inclusive humana.
Leiam abaixo o alerta dado pelos ex-ministros do Meio Ambiente, estes, sim, pessoas decentes preocupadas com a proteção e defesa da Vida e da Natureza:
“COMUNICADO DOS EX-MINISTROS DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

São Paulo, 8 de maio de 2019

Em outubro do ano passado, nós, os ex-ministros de Estado do Meio Ambiente, alertamos sobre a importância de o governo eleito não extinguir o Ministério do Meio Ambiente e manter o Brasil no Acordo de Paris. A consolidação e o fortalecimento da governança ambiental e climática, ponderamos, é condição essencial para a inserção internacional do Brasil e para impulsionar o desenvolvimento do país no século 21.

Passados mais de cem dias do novo governo, as iniciativas em curso vão na direção oposta à de nosso alerta, comprometendo a imagem e a credibilidade internacional do país.

Não podemos silenciar diante disso. Muito pelo contrário. Insistimos na necessidade de um diálogo permanente e construtivo.

A governança socioambiental no Brasil está sendo desmontada, em afronta à Constituição.

Estamos assistindo a uma série de ações, sem precedentes, que esvaziam a sua capacidade de formulação e implementação de políticas públicas do Ministério do Meio Ambiente: entre elas, a perda da Agência Nacional de Águas, a transferência do Serviço Florestal Brasileiro para o Ministério da Agricultura, a extinção da secretaria de mudanças climáticas e, agora, a ameaça de descriação de áreas protegidas, apequenamento do Conselho Nacional do Meio Ambiente e de extinção do Instituto Chico Mendes. Nas últimas três décadas, a sociedade brasileira foi capaz, através de sucessivos governos, de desenhar um conjunto de leis e instituições aptas a enfrentar os desafios da agenda ambiental brasileira nos vários níveis da Federação.

A decisão de manter a participação brasileira no Acordo de Paris tem a sua credibilidade questionada nacional e internacionalmente pelas manifestações políticas, institucionais e legais adotadas ou apoiadas pelo governo, que reforçam a negação das mudanças climáticas partilhada por figuras-chave da atual administração.

A ausência de diretrizes objetivas sobre o tema não somente tolhe o cumprimento dos compromissos assumidos pelo Brasil, comprometendo seu papel protagônico exercido globalmente, mas também sinaliza com retrocessos nos esforços praticados de redução de emissões de gases de efeito estufa, nas necessárias ações de adaptação e no não cumprimento da Política Nacional de Mudança do Clima.
Estamos diante de um risco real de aumento descontrolado do desmatamento na Amazônia. Os frequentes sinais contraditórios no combate ao crime ambiental podem transmitir a ideia de que o desmatamento é essencial para o sucesso da agropecuária no Brasil. A ciência e a própria história política recente do país demonstram cabalmente que isso é uma falácia e um erro que custará muito caro a todos nós.

É urgente a continuidade do combate ao crime organizado e à corrupção presentes nas ações do desmatamento ilegal e da ocupação de áreas protegidas e dos mananciais, especialmente nos grandes centros urbanos.

O discurso contra os órgãos de controle ambiental, em especial o Ibama e o ICMBio, e o questionamento aos dados de monitoramento do INPE, cujo sucesso é auto-evidente, soma-se a uma crítica situação orçamentária e de pessoal dos órgãos. Tudo isso reforça na ponta a sensação de impunidade, que é a senha para mais desmatamento e mais violência.

Pela mesma moeda, há que se fortalecer as regras que compõem o ordenamento jurídico ambiental brasileiro, estruturadas em perspectiva sistêmica, a partir da Lei da Política Nacional do Meio Ambiente de 1981. O Sistema Nacional de Meio Ambiente precisa ser fortalecido especialmente pelo financiamento dos órgãos que o integram.

É grave a perspectiva de afrouxamento do licenciamento ambiental, travestido de “eficiência de gestão”, num país que acaba de passar pelo trauma de Brumadinho. Os setores empresarial e financeiro exigem regras claras, que confiram segurança às suas atividades.

Não é possível, quase sete anos após a mudança do Código Florestal, que seus dispositivos, pactuados pelo Congresso e consolidados pelo Supremo Tribunal Federal, estejam sob ataque quando deveriam estar sendo simplesmente implementados. Sob alegação de “segurança jurídica” apenas para um lado, o do poder econômico, põe-se um país inteiro sob risco de judicialização.

Tampouco podemos deixar de assinalar a nossa preocupação com as políticas relativas às populações indígenas, quilombolas e outros povos tradicionais, iniciada com a retirada da competência da Funai para demarcar terras indígenas. Há que se cumprir os preceitos estabelecidos na Constituição Federal de 1988, reforçados pelos compromissos assumidos pelo Brasil perante a comunidade internacional, há muitas décadas..

O Brasil percorreu um longo caminho para consolidar sua governança ambiental. Tornamo-nos uma liderança global no combate às mudanças climáticas, o maior desafio da humanidade neste século. Também somos um dos países megabiodiversos do planeta, o que nos traz enorme responsabilidade em relação à conservação de todos os nossos biomas. Esta semana a Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES), considerada o “IPCC da biodiversidade”, divulgou o seu primeiro sumário aos tomadores de decisão, alertando sobre as graves ameaças que pesam sobre a biodiversidade: um milhão de espécies de animais e plantas no mundo estão ameaçadas de extinção.

É urgente que o Brasil reafirme a sua responsabilidade quanto à proteção do meio ambiente e defina rumos concretos que levem à promoção do desenvolvimento sustentável e ao avanço da agenda socioambiental, a partir de ação firme e comprometida dos seus governantes.

Não há desenvolvimento sem a proteção do meio ambiente. E isso se faz com quadros regulatórios robustos e eficientes, com gestão pública de excelência, com a participação da sociedade e com inserção internacional.

Reafirmamos que o Brasil não pode desembarcar do mundo em pleno século 21. Mais do que isso, é preciso evitar que o país desembarque de si próprio.

Rubens Ricupero
Gustavo Krause
José Sarney Filho
José Carlos Carvalho
Marina Silva
Carlos Minc
Izabella Teixeira
Edson Duarte.

Um espetáculo deprimente de idiotia tragicômica!

maio 7, 2019

Este patético (des)governo Boçal-naro é um lamentável circo de horrores, uma turba tresloucada de boçais ignorantes grosseiros fascistas de um lado e crentes fanáticos delirantes de outro. Um espetáculo deprimente de idiotia tragicômica! Quem foi que votou e elegeu este bando de broncos boçais nazis e malucos religiosos fundamentalistas atrasados???

LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE. O LEMA HUMANISTA DA REVOLUÇÃO FRANCESA QUE TEM INSPIRADO A TODOS OS DEMOCRATAS

maio 7, 2019
LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE. O LEMA HUMANISTA DA REVOLUÇÃO FRANCESA QUE TEM INSPIRADO A TODOS OS DEMOCRATAS EM TODAS AS PARTES DO MUNDO TAMBÉM SIGNIFICA RESISTÊNCIA AO FASCISMO, IDEOLOGIA ANTI-HUMANA QUE PREGA SEGREGAÇÃO, SEPARATISMO, XENOFOBIA, VIOLÊNCIA E ÓDIO AO OUTRO.
 
LUTE CONTRA O FASCISMO!
LUTE PELA LIBERDADE, PELA IGUALDADE E PELA FRATERNIDADE EM TODA A PARTE.
 
TODOS OS CIDADÃOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI. NINGUÉM É MAIS NEM MENOS CIDADÃO DO QUE OUTRA PESSOA,
 
NÃO AOS PRIVILÉGIOS E À DESIGUALDADE QUE DISCRIMINAM AS PESSOAS.
NÃO ÀS FRONTEIRAS! O MUNDO TODO É UMA ÚNICA CASA, PARA TODAS AS PESSOAS, SOMOS TODOS IGUAIS; SOMOS TODOS IRMÃOS, COM OS MESMOS DEVERES E COM OS MESMOS DIREITOS, IGUAIS PARA TODOS, SEM DISTINÇÃO.
 
RESISTA AO FASCISMO, RESISTA AO EGOÍSMO, AO PRIMITIVISMO E À VIOLÊNCIA!
 
IMAGINE UM MUNDO DE PAZ E AMOR E IGUALDADE TOTAL!
É POSSÍVEL. SÓ DEPENDE DE NÓS!
(Paulo Sisinno)

Ecologia em fragmentos: as partes no Todo

maio 6, 2019

Compartilho da página do Leonardo Boff: “Ecologia em fragmentos: as partes no Todo” – 04/05/2019.
O discurso ecológico procura ver o Todo nas partes e as partes no Todo numa rede de conexões que liga e re-liga todos os seres. Aqui apresento uns fragmentos do discurso ecológico em tópicos que nos tocam diretamente. (Continua; clique no linque para ler o artigo inteiro)

Leonardo Boff

O discurso ecológico procura ver o Todo nas partes e as partes no Todo numa rede de conexões que liga e re-liga todos os seres. Aqui apresento uns fragmentos do discurso ecológico em tópicos que nos tocam  diretamente.

1.A rracionalidade de nosso estilo de viver
O modelo de sociedade e o sentido de vida que os seres humanos projetaram para si, pelo menos nos últimos 400 anos, estão em crise.
Este modelo nos fazia acreditar que o importante é acumular grande número de meios de vida, de riqueza material, de bens e serviços a fim de poder desfrutar a curta passagem por este planeta.
Para realizar este propósito nos ajudam a ciência que conhece os mecanismos da natureza e a técnica que faz intervenções nela para benefício humano. E procurou-se fazer isso com a máxima velocidade possível.
Portanto, busca-se o máximo de benefício com o mínimo de investimento e…

Ver o post original 652 mais palavras