O atual governo levou morte aos indígenas

julho 26, 2021

O atual governo levou morte aos indígenas https://leonardoboff.org/2021/06/25/o-atual-governo-levou-morte-aos-indigenas/ via @leonardoboff

Leonardo Boff

  Leonardo Boff

É notório o desprezo que o atual presidente dedica aos indígenas. Considera-os sub-gente e claramente declarou no dia 1.de dezembro de 2018:”nosso projeto para o índio é fazê-lo igual a nós”. E avançou mais:”não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou quilombola”.

O mais perverso foi não aprovar a PEC que devia lhes levar água potável,os insumos básicos contra a Covid-19. É um propósito de morte. Há dias, neste mês de junho, numa manifestação pacífica de várias etnias foram recebidos em Brasília com repressão,balas de borracha e gás lacrimogênio. Há um total abandono deles a ponto de que 163 povos de diferentes etnias foram contaminados, sendo que ocorreram 1.070 mortes.

Diz-nos um conhecedor da história da Amazônia Evaristo Miranda, cujo titulo é uma revelação “Quando o Amazonas corria para o Pacífico, (Vozes 2007):”uma coisa é certa: a mais antiga e permanente presença humana…

Ver o post original 646 mais palavras

El gobierno actual ha llevado muerte a los indígenas

julho 26, 2021

El gobierno actual ha llevado muerte a los indígenas https://leonardoboff.org/2021/06/26/el-gobierno-actual-ha-llevado-muerte-a-los-indigenas/ via @leonardoboff

Leonardo Boff

Leonardo Boff*

Es notorio el desprecio que el actual presidente muestra hacia los indígenas. Los considera sub-gente y el 1 de diciembre de 2018 declaró con toda claridad: “nuestro proyecto para el índio es hacerlo igual a nosotros”. Y avanzó más: “no va a haber un centímetro demarcado para reserva indígena o para quilombolas”.

Lo más perverso fue no aprobar la Propuesta de Enmienda Constitucional (PEC) que debía llevarles agua potable, los insumos básicos contra la Covid-19. Es un propósito de muerte. Hace días, en este mes de junio, en una manifestación pacífica de varias etnias, fueron recibidos en Brasilia con represión, balas de goma y gases lacrimógenos. Hay un total abandono de ellos, hasta el punto de que 163 pueblos de diferentes etnias han sido contaminados y ha habido 1.070 muertes.

Un conocedor de la historia de la Amazonia, Evaristo Miranda, cuyo título es una revelación: Cuando el…

Ver o post original 727 mais palavras

Current government’s Bolsonaro has brought death to indigenous people

julho 26, 2021

Current government’s Bolsonaro has brought death to indigenous people https://leonardoboff.org/2021/06/28/current-governments-bolsonaro-has-brought-death-to-indigenous-people/ via @leonardoboff

Leonardo Boff

                                                      Leonardo Boff

The contempt that the current president shows towards the indigenous people is notorious. He considers them sub-people and on December 1, 2018 he stated quite clearly: “our project for the Indio is to make them equal to us”. And he advanced further: “there is not going to be a centimeter demarcated for indigenous reserve or for quilombolas”.

The most perverse thing was not to approve the Proposal of Constitutional Amendment (PEC) that should bring them drinking water, the basic inputs against the Covid-19. It is a purpose of death. Days ago, in this month of June, in a peaceful demonstration of several ethnic groups, they were received in Brasilia with repression, rubber bullets and tear gas. There is a total abandonment of them, to the point that 163 villages of different ethnicities have been contaminated and there have been 1,070 deaths.

A connoisseur of the history of the…

Ver o post original 743 mais palavras

The voracity of capitalism brought Covid-19

julho 26, 2021

The voracity of capitalism brought Covid-19 https://leonardoboff.org/2021/06/30/the-voracity-of-capitalism-brought-covid-19/ via @leonardoboff

Leonardo Boff

Leonardo Boff

I have been supporting the thesis that Covid-19 is a counterattack of Mother Earth against the system of capital and its political expression, neoliberalism. It brought to its knees, humiliated, the militaristic powers that with their weapons of mass destruction could destroy life on the planet. If the war against the planet continues, it may no longer want us. A more lethal virus, immune to any vaccine, could lead a large part of the human species to its end.

Such an eventuality is not impossible because this system of death of beings of nature and human beings, in the words of Pope Francis, has a suicidal tendency. It would rather risk death than renounce its voracity.

This short story, taken from Len Tolstoy (1828-1910), told to the peasants of his farm Isnaya Poliana with the title How much earth does a man need, may make us reflect.

Ver o post original 996 mais palavras

Via Combativa nº4 | O Bakuninismo e a Questão Nacional e Anticolonial

julho 26, 2021

É com satisfação que lançamos a quarta edição da revista Via Combativa! A temática da questão nacional e anticolonial sempre permeou as reflexões e esforços teórico-políticos de nossa organização socialista revolucionária. Agora, temos a oportunidade de apresentar algumas sistematizações importantes em termos de pesquisa teórica, política e histórica.

O objetivo principal desta edição é apresentar as bases históricas e teóricas do anticolonialismo e do anti-imperialismo no anarquismo e avançar na aplicação do materialismo sociológico e da dialética serial à realidade brasileira e mundial. Importante ressaltar que tais esforços ganharam um corpo teórico-político importante a partir do nosso VII Congresso Nacional em 2019, cujas Resoluções podem ser lidas como complemento a esta 4ª edição.

Porém, ainda há muito a se fazer. Para nós, reconhecer a existência de uma base teórica e política do anarquismo não é um chamado ao comodismo, de que basta repetir ou aplicar o que foi dito por Bakunin ou outros anarquistas. Ao contrário. Reconhecê-la de forma honesta e coerente significa assumir a responsabilidade de seguir desenvolvendo-a, debatendo, avançando, lutando.

Mas retomar as bases bakuninistas é uma necessidade histórica que não podemos nos furtar para “estar na moda” ou sermos aceitos na academia e no senso comum. Não partiremos do zero nem tomaremos como base outras teorias que não explicam a realidade e muito menos servem à revolução integral.

Vemos que a negação ou menosprezo da teoria anarquista sobre a questão nacional e anticolonial tem sido um caminho tragicamente escolhido na história. Essa negação é quase sempre uma consequência da ignorância ou do oportunismo, além de todas as repressões ao anarquismo pelos poderes-saberes dominantes. Por isso negamos o ecletismo e o revisionismo no anarquismo e seguimos apresentando em nossa caminhada os acúmulos de um trabalho que, entre outros objetivos, busca provar suas mentiras e deturpações.

Leia mais deste post:

Unipa

Editorial

É com satisfação que lançamos a quarta edição da revista Via Combativa! A temática da questão nacional e anticolonial sempre permeou as reflexões e esforços teórico-políticos de nossa organização socialista revolucionária. Agora, temos a oportunidade de apresentar algumas sistematizações importantes em termos de pesquisa teórica, política e histórica.

O objetivo principal desta edição é apresentar as bases históricas e teóricas do anticolonialismo e do anti-imperialismo no anarquismo e avançar na aplicação do materialismo sociológico e da dialética serial à realidade brasileira e mundial. Importante ressaltar que tais esforços ganharam um corpo teórico-político importante a partir do nosso VII Congresso Nacional em 2019, cujas Resoluções podem ser lidas como complemento a esta 4ª edição.

Porém, ainda há muito a se fazer. Para nós, reconhecer a existência de uma base teórica e política do anarquismo não é um chamado ao comodismo, de que basta repetir ou…

Ver o post original 541 mais palavras

Sufrir con quien sufre: la actualidad de la compasión

julho 26, 2021

Sufrir con quien sufre: la actualidad de la compasión https://leonardoboff.org/2021/07/10/sufrir-con-quien-sufre-la-actualidad-de-la-compasion/ via @leonardoboff

Leonardo Boff

Leonardo Boff*

Un manto de sufrimiento y de dolor cubre toda la humanidad, amenazada por la Covid-19. La cultura del capital, dentro de la cual vivimos, se caracteriza por el individualismo y por una clamorosa falta de cooperación. El Papa, en la isla italiana de Lampedusa, al ver a cientos de africanos que llegaban en barco desde África y eran mal acogidos por la población local, dijo casi entre lágrimas: “nuestra cultura moderna nos ha arrebatado la compasión por nuestros semejantes; nos hemos vuelto incapaces de llorar”.Parece que la inflación de racionalidad instrumental y analítica nos ha producido una especie de lobotomía: nos hemos hecho insensibles al sufrimiento del otro.

El presidente actual es la comprobación más trágica de esta indiferencia. Jamás visitó un hospital a tope de personas contaminadas de Covid -19, muchas muriendo asfixiadas. Sin ningún sentimiento leyó en un discurso público una fría frase que le prepararon, pero…

Ver o post original 706 mais palavras

Water: source of life or source of profit? Against the privatization of water

julho 26, 2021

Leonardo Boff

Leonardo Boff

Today there are two major issues that affect all of humanity: global warming and the growing scarcity of drinking water. Both require profound changes in the way we live, because they can produce a collapse of our civilization and deeply affect the system of life.

Let’s focus on the issue of water, which is coveted by big corporations in order to privatize it and make huge profits. It can be a reason for wars as well as a reason for social solidarity and cooperation among peoples. It has already been said that if the wars of the 20th century were over oil, the wars of the 21st century will be over drinking water. Nevertheless, it can be a central reference for a new world social pact between peoples and governments for the survival of all.

Let us consider the basic facts about water. It is extremely abundant and…

Ver o post original 1.267 mais palavras

Havaianas anuncia programa global para dar destino sustentável às sandálias descartadas

julho 26, 2021

Em junho, a Havaianas anunciou o lançamento do programa global Havaianas ReCiclo que tem como objetivo dar um destino adequado às sandálias descartadas pelo público. O projeto é realizado em parceria com a TrashIn, startup especializada na gestão de resíduos.

A iniciativa foi elaborada como uma solução sustentável aos produtos da marca de sandálias e chinelos, minimizando seus impactos no meio ambiente e estimulando transformações sociais, por meio da economia circular. Em lojas da Havaianas e em condomínios residenciais, os consumidores podem encontrar urnas coletoras para depositar seus calçados fora de uso, que, posteriormente, serão coletados pela TrashIn e encaminhados às cooperativas de reciclagem.

De acordo com Fefa Romano, CMO da Alpargatas (empresa dona das marcas Havaianas e Osklen), o projeto também visa criar condições para responsabilidade ambiental entre os consumidores, ao apresentar métodos de descarte adequado para seus calçados. “O programa tem o compromisso de conscientizar seu consumidor sobre a importância do descarte correto dos produtos e garantir seu acesso a essas soluções sustentáveis”, afirma.

Após a triagem, os produtos em mau estado de conservação serão encaminhados aos centros de processamento parceiros do Havaianas ReCiclo que transformarão os resíduos em pneus, tapetes para playground, entre outros produtos.

O projeto piloto focado em economia circular teve início em dezembro de 2020 com o objetivo de testar o modelo nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, contemplando três lojas próprias e quatro condomínios residenciais, sendo dois em cada cidade. Em janeiro, a fase 1 do projeto testou o modelo em franquias, com 11 pontos de venda, expandindo para as cidades de Recife e Ilha Grande. Neste mesmo período, houve a expansão global de logística reversa nas operações da Europa, América do Norte e Ásia.

Toda a rota logística do programa foi pensada para ser carbono zero, de modo que o processo de transporte dos resíduos dos pontos de coleta até as cooperativas de reciclagem não emita gases de efeito estufa. Segundo Fefa Romano, a operação de logística de baixo carbono acontece de duas formas: “Primeiro, priorizamos as coletas de bicicleta, onde não emitimos gases de efeito estufa. Segundo, quando não é possível utilizar esses modais, as coletas com veículos de motor a combustão são compensadas pelas aquisições de crédito de carbono. Assim, atuamos na prevenção da emissão e na neutralização do que foi emitido“, explica.

De acordo com levantamento da Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais), atualmente, apenas 3% das 80 milhões de toneladas de resíduos que o Brasil produz são reciclados. Diante deste cenário, Fefa reforça a importância da economia circular e da logística reversa para reinserção dos produtos usados na cadeia produtiva, por meio de ações de desenvolvimento das cooperativas de reciclagem. “Através do programa ReCiclo, a Havaianas está impulsionando a prática da coleta seletiva nessas organizações, investindo em treinamentos e desenvolvimento de processos, maximizando a jornada de transformação de resíduos junto a esses agentes que são responsáveis por cerca de 90% da reciclagem do país.”

Por outro lado, o programa também visa provocar impactos sociais positivos com a geração de renda adicional às famílias através da compra dos resíduos. “Hoje, são 129 famílias beneficiadas pelo projeto e que contribuem para reduzir a quantidade de resíduos que seriam descartados em lixões e aterros sanitários, além de diminuir a necessidade da exploração de matéria-prima para confecção de novos produtos”, pontua a executiva. “A eficiência deste sistema está na sua capacidade de aproveitar os recursos descartados em outros ciclos produtivos, tendo assim finais adequados para o meio ambiente”, completa.

Entre os produtos encaminhados aos centros de processamento, aqueles que estiverem em bom estado, após passar por um rigoroso processo de esterilização, são doados ao Instituto Tiago Camilo, criado pelo atleta de mesmo nome, para levar às periferias de São Paulo oportunidades de aprendizado por meio da cultura e do esporte.

A Havaianas também está buscando a liderança entre as companhias engajadas em cadeias produtivas eco-friendly. Segundo Fefa Romano, a empresa, ao reestruturar suas operações para diretrizes de baixo impacto ambiental, fez com que 97% de suas sandálias produzidas atualmente passassem a contar com 40% de materiais reciclados, provenientes de resíduos industriais. E com esse viés, a executiva afirma que a marca também transfere aos consumidores responsabilidades em relação ao meio ambiente.

“Ao incluir os consumidores como parte das soluções para os problemas ambientais, eles ganham maior poder de ação ao adotarem práticas sustentáveis no dia a dia. Assim, se tornam pessoas mais preparadas para tomarem decisões sensatas sobre o planeta”.

Fonte: Forbes Brasil

FERNANDO GUIDA

Em junho, a Havaianas anunciou o lançamento do programa global Havaianas ReCiclo que tem como objetivo dar um destino adequado às sandálias descartadas pelo público. O projeto é realizado em parceria com a TrashIn, startup especializada na gestão de resíduos.

A iniciativa foi elaborada como uma solução sustentável aos produtos da marca de sandálias e chinelos, minimizando seus impactos no meio ambiente e estimulando transformações sociais, por meio da economia circular. Em lojas da Havaianas e em condomínios residenciais, os consumidores podem encontrar urnas coletoras para depositar seus calçados fora de uso, que, posteriormente, serão coletados pela TrashIn e encaminhados às cooperativas de reciclagem.

De acordo com Fefa Romano, CMO daAlpargatas(empresa dona das marcasHavaianaseOsklen), o projeto também visa criar condições para responsabilidade ambiental entre os consumidores, ao apresentar métodos de descarte adequado para seus calçados. “O programa tem o compromisso de conscientizar seu…

Ver o post original 606 mais palavras

O mapa da energia solar no mundo

julho 26, 2021

FERNANDO GUIDA

DESCRIÇÃO DO MAPA

A energia solar é provavelmente aquela com maior potencial de todo o catálogo energético, tanto pela facilidade de obtenção como pelo seu contributo para a transição energética. Na verdade, a quantidade de luz solar que chega à Terra em uma hora e meia é suficiente para atender às necessidades de energia de todo o mundo em um ano. Além disso, pode ser usado para produzir eletricidade e calor.

Mais do que a luz, é na verdade a radiação emitida pelo Sol. Nesse sentido, é importante destacar que nem todas as áreas do planeta possuem o mesmo potencial solar , uma vez que alguns locais recebem mais radiação do que outros. A teoria é que quanto mais baixa a atmosfera, maior o impacto. É o que acontece, por exemplo, nas regiões tropicais, onde os raios caem verticalmente e, portanto, acumulam mais energia. O mesmo acontece com os grandes planaltos, como o Altiplano Andino…

Ver o post original 355 mais palavras

Cientista inventa vaso sanitário que usa cocô para gerar energia e dinheiro

julho 26, 2021

FERNANDO GUIDA

Vaso sanitário inventado por cientista sul-coreano que usa cocô para gerar energia e dinheiro - Reprodução/YouTube
Vaso sanitário inventado por cientista sul-coreano que usa cocô para gerar energia e dinheiro
Imagem: Reprodução/YouTube

Pesquisadores da Coreia do Sul desenvolveram uma forma inusitada de gerar dinheiro e energia: um vaso sanitário. O excremento humano é utilizado para gerar energia de um prédio inteiro e, de quebra, gerar uns trocado para os estudantes onde o aparelho está sendo testado.

A engenhoca foi uma ideia de Cho Jae-weon, professor de engenharia ambiental do Instituto de Ciência e Tecnologia de Ulsan (UNIST). O vaso sanitário BeeVi funciona por meio de uma bomba a vácuo que manda as fezes para um tanque subterrâneo, reduzindo o uso de água para dar descarga.

No tanque, microorganismos decompõem os resíduos, transformando-os em metano. O gás se torna fonte de energia para alguns dispositivos do prédio, como um fogão, uma caldeira de água quente e uma célula movida a óxido sólido.

Em média, uma pessoa defeca…

Ver o post original 172 mais palavras