Archive for maio \31\UTC 2017

Matar animais em rituais é crime de maus-tratos, afirma advogada

maio 31, 2017

A advogada Leticia Filpi esclareceu que sacrificar animais em rituais religiosos viola o artigo 225 da Constituição Federal e a Lei de Crimes Ambientais 9.605. De acordo com ela, a prática é cruel e provoca sofrimento desnecessário, o que é vedado pela legislação brasileira. A declaração foi dada em entrevista ao O Holocausto Animal ontem (30), por telefone.

Leticia afirma que a conduta criminosa se encaixa no artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais, que trata sobre abuso e mutilação de animais.
“Não há nenhuma exceção na lei [federal] que permita sacrifício de animais em rituais. Leis estaduais que autorizam a prática são inconstitucionais”, disse.

Ela ainda alegou que apesar de envolver cultura e religião, não há proteção jurídica para a crueldade. A permissão de abatedouros e laboratórios de pesquisa existiria por ser uma suposta questão de “sobrevivência”, como enxerga o Estado.

No caso do animal ser comido no ritual, a advogada disse que continua sendo crime: “É infração às normas sanitárias. As situações são diferentes”.

Estelionato e charlatanismo:
Leticia disse que a promessa de cura por meio de sacrifício e cobrança por hipotética vantagem pode ser considerado charlatanismo e estelionato.
“Há vários tipos penais envolvidos”, afirmou.

Polícia pode ser chamada:
Questionada sobre a possibilidade de um cidadão comum ter conhecimento do sacrifício, Leticia declarou que a polícia pode ser acionada.
“Eles [a polícia] têm que apreender os animais e levar todo mundo para a delegacia. Dependendo do número de animais, os crimes se somam. Se houver dez animais, serão dez crimes diferentes. Tem que ser feito um inquérito policial inclusive”,

O Holocausto Animal

Prática não é permitida por legislação federal.

Ver o post original 279 mais palavras

O Livro dos Elogios: novo livro de Leonardo Boff

maio 29, 2017

A obra de Leonardo Boff, “O Livro dos Elogios – O significado do insignificante”, lançada pela Paulus Editora, São Paulo, propõe resgatar os valores perdidos no cotidiano, cuja falta, segundo o autor, estão na raiz de nossa crise cultural. Entre esses valores podemos mencionar o cuidado, a gentileza, a amorosidade, a solidariedade, a hospitalidade, a compaixão e a espiritualidade como dado antropológico. São mitos, estórias e contos antigos e modernos que plasticamente representam estas realidades.

O Livro dos Elogios refere acontecimentos e relatos por vezes “insignificantes” e sem relevância maior, mas que vêm carregadas de sentido existencial.

Leonardo Boff

Relise da Editora Paulus de São Paulo

A obra de Leonardo Boff O Livro dos Elogios – O significado do insignificante, lançada pela Paulus Editora, São Paulo, propõe resgatar os valores perdidos no cotidiano, cuja falta, segundo o autor, estão na raiz de nossa crise cultural. Entre esses valores podemos mencionar o cuidado, a gentileza, a amorosidade, a solidariedade, a hospitalidade, a compaixão, o cuidado e a espiritualidade como dado antropológico. São mitos, estórias e contos  antigos e modernos que plasticamente representam estas realidades.

O Livro dos Elogios refere acontecimentos e relatos por vezes “insignificantes” e sem relevância maior mas que vem carregadas de sentido existencial.

Ver mais

Nenhum texto alternativo automático disponível.

Ver o post original

Entrevista de Leonardo Boff a Carla Jiménez do El Pais sobre a crise atual no Brasil, as esquerdas e Lula

maio 29, 2017

Entrevista de Leonardo Boff a Carla Jiménez do El Pais sobre a crise atual no Brasil, as esquerdas e Lula.
28/05/2017

Leonardo Boff

Entrevista de Leonsrdo Boff a Carla Jiménes do el Pais sobre a crise atual no Brasil, as esquerdas e Lula

São Paulo 27 MAI 2017 – 20:09 BRT

O teólogo e escritor Leonardo Boff em 2014 A. Marques Folhapress

Nos anos 1980, o então sacerdote Leonardo Boff escrevia artigos para o EL PAÍS nos quais defendia a Teologia da Libertação, a corrente cristã que nasceu na América Latina, e que tinha como preceito a opção pelos pobres. “Indiscutivelmente, os primeiros destinatários da pregação de Jesus foram historicamente pobres, os cegos, os dominados, os oprimidos, leprosos… A partir deles, dirigiu-se aos demais. Se não temos a esses como ponto de partida, corremos o risco do reducionismo e do elitismo”. Seus textos incomodaram o Vaticano que o proibiu de continuar escrevendo no jornal espanhol. Sua voz estava ganhando cada vez mais alcance, e se tornava uma provocação para a própria Igreja enquanto…

Ver o post original 3.566 mais palavras

A boa vontade que falta no Brasil de hoje

maio 29, 2017

Mais um ótimo texto para reflexão, do Leonardo Boff: “Na sociedade brasileira atual grassa uma onda de ódio, raiva e dilaceração que raramente tivemos em nossa história. Chegamos a um ponto em que a má vontade generalizada impede qualquer convergência em função de uma saída da avassaladora crise que afeta toda a sociedade.

Immanuel Kant (1724-1804), o mais rigoroso pensador da ética no Ocidente moderno, fez uma afirmação de grandes consequências, em sua Fundamentação para uma metafísica dos costumes(1785): “Não é possível se pensar algo que, em qualquer lugar no mundo e mesmo fora dele, possa ser tido irrestritamente como bom senão a boa vontade (der gute Wille)”. Kant reconhece que qualquer projeto ético possui defeitos. Entretanto, todos os projetos possuem algo comum que é sem defeito: a boa vontade. Traduzindo seu difícil linguajar: a boa vontade é o único bem que é somente bom e ao qual não cabe nenhuma restrição. A boa vontade ou é só boa ou não é boa vontade.

Há aqui uma verdade com graves consequências: se a boa vontade não for a atitude prévia a tudo que pensarmos e fizermos, será impossível criar-se uma base comum que a todos envolva. Se malicio tudo, se tudo coloco sob suspeita e se não confio mais em ninguém, então, será impossível construir algo que congregue a todos. Dito positivamente: só contando com a boa vontade de todos posso construir algo bom para todos. Em momento de crise como o nosso, é a boa vontade o fator principal de união de todos para uma resposta viável que supere a crise.

Estas reflexões valem tanto para o mundo globalizado quanto para o Brasil atual. Se não houver boa vontade da grande maioria da humanidade, não vamos encontrar uma saída para a desesperadora crise social que dilacera as sociedades periféricas, nem uma solução para o alarme ecológico que põe em risco o sistema-Terra. Somente na COP 21 de Paris em dezembro de 2015 se chegou a um consenso mínimo no sentido de conter o aquecimento global. Ainda assim as decisões não eram vinculantes. Dependiam da boa vontade dos governos, o que não ocorreu, por exemplo, com o parlamento norte-americano que somente apoiou algumas medidas do Presidente Obama. Outros aprovam as medidas mas falta-lhes a boa vontade para implementá-las.

No Brasil, se não contarmos com a boa vontade da classe política, em grande parte corrompida e corruptora, nem com a boa vontade dos órgãos jurídicos e policiais jamais superaremos a corrupção que se encontra na estrutura mesma de nossa fraca democracia. Se essa boa vontade não estiver também nos movimentos sociais e na grande maioria dos cidadãos que com razão resistem às mudanças anti-populares, não haverá nada, nem governo, nem alguma liderança carismática, que sejam capazes de apontar para alternativas esperançadoras.”
(continua; clique no linque para continuar lendo)

Leonardo Boff

Na sociedade brasileira atual grassa uma onda de ódio, raiva e dilaceração que raramente tivemos em nossa história. Chegamos a um ponto em que a má vontade generalizada impede qualquer convergência em função de uma saída da avassaladora crise que afeta toda a sociedade.

Immanuel Kant (1724-1804), o mais rigoroso pensador da ética no Ocidente moderno, fez uma afirmação de grandes consequências, em sua Fundamentação para uma metafísica dos costumes(1785): “Não é possível se pensar algo que, em qualquer lugar no mundo e mesmo fora dele, possa ser tido irrestritamente como bom senão a boa vontade (der gute Wille)”. Kant reconhece que qualquer projeto ético possui defeitos. Entretanto, todos os projetos possuem algo comum que é sem defeito: a boa vontade. Traduzindo seu difícil linguajar: a boa vontade é o único bem que é somente bom e ao qual não cabe nenhuma restrição. A boa vontade ou…

Ver o post original 717 mais palavras

Terreiros pedem que STF não proíba sacrifício de animais

maio 29, 2017

SOU ABSOLUTAMENTE CONTRA A MATANÇA DE ANIMAIS INOCENTES, EM QUALQUER SITUAÇÃO E EM NOME DO QUE QUER QUE SEJA, PRINCIPALMENTE DE CRENÇAS IMPROVÁVEIS (COMO TODAS O SÃO, NA REALIDADE!). É SIMPLESMENTE ERRADO, ANTIÉTICO E INJUSTIFICÁVEL; PONTO FINAL E PARÁGRAFO. FIM DO DEBATE. (Paulo Sisinno)

Na última quarta-feira (24), representantes da Comissão dos Terreiros Tombados da Bahia se reuniram com a ministra Cármen Lúcia pedindo que não haja proibição da morte de animais em rituais religiosos. Eles entregaram um parecer a respeito da tradição da prática. As informações são do STF.

A mobilização ocorre porque em breve o Supremo deve julgar o Recurso Extraordinário (RE) 494601, apresentado pelo MP do Rio Grande do Sul contra uma decisão do Tribunal de Justiça estadual que validou a lei 12.131/2004, que permite o abate de animais em religião de matriz africana.

Os terreiros alegam que criticar a morte desses animais seria “racismo”. De acordo com o argumento, a população não reclamaria do abate judaico ou de outras religiões.

O Holocausto Animal

Supremo deve julgar a proibição do sacrifício de animais.

Ver o post original 128 mais palavras

Família de Gilmar Mendes vende gado para JBS

maio 29, 2017

Em entrevista à “Folha de S.Paulo” (26/5), o ministro Gilmar Mendes afirmou que sua família fornece gado para a JBS. A informação foi dada quando o jornal questionou Gilmar sobre um encontro com Joesley Batista.

“Minha família é de agropecuaristas e vendemos gado para a JBS lá [Mato Grosso]”, disse.

Quando a “Folha” perguntou se Gilmar Mendes era suspeito para julgar ações futuras sobre a JBS, ele alegou que “não”, justificando que “as causas de impedimentos ou suspeição são estritas”.

O Holocausto Animal

Informação foi dada pelo próprio ministro.

Ver o post original 98 mais palavras

Pecuaristas querem banir termo ‘carne’ de produtos veganos

maio 25, 2017

Um grupo de processadores de carne encaminhou recentemente um pedido para a Comissão Europeia com o objetivo de banir a palavra “carne” de produtos veganos. De acordo com o Clitravi (Centro de ligação para a indústria de transformação de carne), o uso dos termos “presunto vegetariano”, “carne vegetariana” e afins induzem o consumidor ao erro. As informações são do “Irish Independent“.

Nos Estados Unidos, a indústria de laticínios também quer aprovar uma lei, a Dairy Pride Act, para proibição do termo “leite” em leites vegetais. A tentativa vem após uma queda de quase 40% do consumo de leite de vaca nos EUA desde 1970.

O Holocausto Animal

Indústria da carne quer que o termo ‘carne’ seja proibido na Europa em produtos veganos.

Ver o post original 116 mais palavras

Kant: ‘Quem é cruel com os animais se torna rude com os homens’

maio 24, 2017

“Quem é cruel com os animais se torna rude com os homens. Podemos julgar o coração de um homem pela forma que ele trata os animais.”

Em: KANT, Immanuel. Lectures on Ethics (1924), Trans. Peter Heath, Cambridge: Cambridge University Press, 1997, Part II, p. 212.

O Holocausto Animal

Immanuel_Kant_imagem

“Quem é cruel com os animais se torna rude com os homens. Podemos julgar o coração de um homem pela forma que ele trata os animais.”

Ver o post original 19 mais palavras

‘Era terrível’, relata ex-funcionário da indústria do leite

maio 23, 2017

Em uma entrevista para a ONG SAFE, divulgada em novembro de 2016, um ex-funcionário relata as razões que o fizeram sair da indústria do leite neozelandesa. De acordo com ele, “era absolutamente terrível” ver as vacas correndo atrás de seus filhos no reboque.

“Era meu trabalho colocar os bezerros no reboque e separá-los de suas mães. Eu me senti tão mal sobre isso”, afirmou.

O Holocausto Animal

Ex-funcionário desistiu de trabalhar na indústria do leite após presenciar crueldade.

Ver o post original 79 mais palavras

Maior fornecedor de tofu acaba com testes em animais

maio 23, 2017

A empresa “House Foods”, líder em fornecimento de tofu nos Estados Unidos, anunciou no último dia 18 (quinta-feira) que vai parar de fazer testes em animais. A decisão foi tomada após uma campanha da PETA.

Desde 1996 uma série de experiências foram realizadas pela companhia. Nesses testes, camundongos eram forçados a uma dieta rica em gordura, que os deixava obesos. Eles eram mortos ao final das experiências.

O objetivo da realização desses testes era utilizar os resultados em publicidade, alegando, por exemplo, que determinado produto era saudável para humanos.

As informações são da PETA.

O Holocausto Animal

Empresa realizava experimentos em animais desde 1996.

Ver o post original 92 mais palavras