Archive for setembro \25\UTC 2016

O GOLPE NA EDUCAÇÃO: A Fábrica de Autômatos de Michel Temer

setembro 25, 2016

O GOLPE NA EDUCAÇÃO: A Fábrica de Autômatos de Michel Temer

Sustentabilidade e Democracia

maxresdefault12Foto: Imagem do videoclipe de “Another Brick In The Wall“, da banda inglesa Pink Floyd.

Autor: Sandro Ari Andrade de Miranda, advogado, mestre em ciências sociais.

Não! Não pense que eu preciso de alguma coisa afinal

Tudo era apenas um tijolo no muro

Todos são somente tijolos na parede”.

(Estrofe final do clássico “Another Brick In The Wall”, da banda inglesa Pink Floyd, tradução livre)

Se os filósofos gregos Aristóteles, Platão ou Sócrates vivessem no Brasil nos dias de hoje, e se oferecessem para ensinar em escolas públicas, nós teríamos essa oportunidade castrada. Se os sociólogos alemães Max Weber, Karl Marx ou o francês Émile Durkheim nos dessem a mesma oportunidade, também haveria recusa. Pior ainda, nem Leonardo da Vinci ou Michelangelo poderiam ser professores no mundo de Michel Temer (PMDB-SP), pois a arte também passou a ser tratada como disciplina de segundo…

Ver o post original 631 mais palavras

Anúncios

O Brasil em relação ao capitalismo e ao neliberalismo: François Houtart

setembro 24, 2016

O Brasil em relação ao capitalismo e ao neliberalismo: François Houtart

Leonardo Boff

Considero François Houtart, velho amigo pessoal, do Brasil, da A.Latina e de todo Terceiro Mundo, um dos maiores pensadores atuais. É sociólogo e padre belga, de formação marxista, apenas em sua metodologia, sem as vinculações ideológicas que, com cristão, rejeita. Optou por viver no Equador na pesquisa e no apoio ao movimento indégena muito forte naquele país. O presidente Correa foi seu aluno em Louvain. Apresento aqui uma entrevista muito esclarecedora sobre a situação atual da política brasieira e latino-americana. Lboff

“Brasil foi tímido frente aos projetos de integração latina”, diz François Houtart

Sociólogo belga esteve no Brasil para participar de evento no Congresso e conversou com o MST e o Brasil de Fato

Lizely Borges (MST) e Cristiane Sampaio (BdF)
Brasil de Fato | Brasília (DF), 22 de Setembro de 2016 às 12:18
Houtart é conhecido como o “Papa da antiglobalização” e um dos grandes pensadores de matriz ideológica marxista no continente - Créditos: Lizely Borges (MST)
Houtart é conhecido como o “Papa da antiglobalização” e um dos grandes pensadores de matriz ideológica…

Ver o post original 2.399 mais palavras

O Cristo cósmico:uma espiritualidade do universo

setembro 24, 2016

Compartilhando mais um belíssimo artigo do Leonardo Boff: ” Uma das buscas mais persistentes entre os cientistas que vem geralmente das ciências da Terra e da vida é pela da unidade do Todo. Dizem: “precisamos identificar aquela fórmula que tudo explica e assim captaremos a mente de Deus”. Esta busca vem sob o nome de “A Teoria da Grande Unificação” ou “A Teoria Quântica dos Campos” ou, pelo pomposo nome de “A Teoria de Tudo”. Por mais esforços que se tenham feito, todos acabam se frustrando ou como o grande matemático Stephan Hawking, abandonando, por impossível, esta pretensão. O universo é por demais complexo para ser apreendido por uma única fórmula.
Entretanto, pesquisando as partículas sub-atômicas, mais de cem, e as enegias primordiais, chegou-se a perceber que todas elas remetem àquilo que se chamou de “vácuo quântico” que de vácuo não possui nada porque é a plenitude de todas as potencialiades. Desse Fundo sem fundo surgiram todos os seres e o inteiro universo. É representado como um vasto oceano sem margens, de energia e de virtualidades. Outros o chamam de “Fonte Originária dos Seres” ou o “Abismo alimentador de Tudo”.
Curiosamente, cosmólogos como um dos maiores deles, Brian Swimme, denomina-o de o Inefável e o Misterioso (The Hidden Heart of the Cosmos, 1996) Ora, estas são carcaterísticas que as religiões atribuem à Última Realidade que vem chamada por mil nomes, Tao, Javé, Alá, Olorum, Deus. O Vácuo pregnante de Energia se não é Deus (Deus é sempre maior) é a sua melhor metáfora e representação.” (continua no link)

Leonardo Boff

        Uma das buscas mais persistentes entre os cientistas que vem geralmente das ciências da Terra e da vida é pela da unidade do Todo. Dizem: “precisamos identificar aquela fórmula que tudo explica e assim captaremos a mente de Deus”. Esta busca vem sob o nome de “A Teoria da Grande Unificação” ou “A Teoria Quântica dos Campos” ou, pelo pomposo nome de “A Teoria de Tudo”. Por mais esforços que se tenham feito, todos acabam se frustrando ou como o grande matemático Stephan Hawking, abandonando, por impossível, esta pretensão. O universo é por demais complexo para ser apreendido por uma única fórmula.

         Entretanto, pesquisando as partículas sub-atômicas, mais de cem, e as enegias primordiais, chegou-se a perceber que todas elas remetem àquilo que se chamou de “vácuo quântico” que de vácuo não possui nada porque é a plenitude de todas as potencialiades. Desse Fundo sem fundo surgiram todos…

Ver o post original 636 mais palavras

Grito dos Excluídos: Fora Temer, Resistência e novas eleições

setembro 17, 2016

Fora Temer e resistência aos ataques contra os direitos do povo e luta por alternativas com participação popular, como a de Eleições Gerais

Ação Popular Socialista

Fora Temer e resistência aos ataques contra os direitos do povo e luta por alternativas com participação popular, como a de Eleições Gerais,

Ver o post original 544 mais palavras

Rota suicida

setembro 17, 2016

O capitalismo selvagem, ou neoliberalismo, ou qualquer nome que se queira dar ao sistema econômico hegemônico, esta aberração monstruosa construída sobre os pilares da ganância, egoísmo, insensibilidade, exploração do homem pelo homem, desperdício, obsolescência programada, consumismo estúpido e inconsciente está numa rota suicida de destruição do Planeta Terra, de seus recursos naturais e das espécies que o habitam (inclusive a espécie humana). Quem irá impedir isso?

Golpe de 1964 e golpe de 2016: a mesma natureza de classe

setembro 14, 2016

Cpt. do Leonardo Boff​: “Entre o golpe de 1964 e o golpe de 2016 há uma conaturalidade estrutural. Ambos são golpe de classe, dos donos do dinheiro e do poder: o primeiro usa os militares, o outro o parlamento. Os meios são diferentes mas o resultado é o mesmo: um golpe com a ruptura democrática e violação da soberania popular.”

Leonardo Boff

Entre o golpe de 1964 e o golpe de 2016 há uma conaturalidade estrutural. Ambos são golpe de classe, dos donos do dinheiro e do poder: o primeiro usa os militares, o outro o parlamento. Os meios são diferentes mas o resultado é o mesmo: um golpe com a ruptura democrática e violação da sobernia popular.

Vejamos o golpe de 1964. René Armand Dreifuss em sua monumental tese na Universidade de Glasglow: “1964: a conquista do Estado, ação política, poder e golpe de classe” (Vozes 1981), um livro de 814 páginas das quais 326 são de documentos originais, deixou claro: “o que houve no Brasil não foi um golpe militar, mas um golpe de classe com uso da força militar”(p.397).
O assalto ao poder de Estado foi tramado pelo general Golbery de Couto e Silva utilizando-se de quatro instituições que difundiam a ideia do golpe: o Instituto de Pesquisas e…

Ver o post original 766 mais palavras

L Boff:“No toleran que haya en el Atlántico Sur una potencia con autonomí”

setembro 2, 2016

Entrevista con Leonardo Boff

“No toleran que haya en el Atlántico Sur una potencia con autonomía, que no siga su dirección hegemónica”

Por Sergio Ferrari de Exchanger Suiza

Leonardo Boff

 

Entrevista con Leonardo Boff

“No toleran que haya en el Atlántico Sur una potencia con autonomía, que no siga su dirección hegemónica”

Por Sergio Ferrari de Exchanger Suiza 29/09/2-16

  • “Golpe parlamentario contra una persona honesta”
  • La criminalización creciente de los movimientos sociales
  • Hacia una “diplomacia popular” de la cooperación internacional

Una nueva dinámica política de retrocesos sociales se impone en Brasil y en otros países latinoamericanos en los últimos meses. Se trata de una ofensiva neoliberal en el marco de una nueva *guerra fría*, afirma el teólogo, escritor y militante social brasilero Leonardo Boff. Realidad que exige repensar – y recrear- la cooperación con los sectores más excluidos de ese país sudamericano, insiste el co-fundador de la Teología de la Liberación en esta entrevista exclusiva.

P: Brasil vive en los últimos meses profundos cambios institucionales. Un gobierno con sensibilidad social que ha sido revertido por mecanismos parlamentarios. ¿Cuál…

Ver o post original 1.663 mais palavras