Archive for junho \21\UTC 2013

Abuso de autoridade e truculência policial

junho 21, 2013

É preciso investigar e punir o vandalismo de ambos os lados: dos manifestantes E DOS POLICIAIS! Ontem no RJ todos testemunhamos cenas absurdas de abuso de autoridade e truculência policial, reportados até mesmo na Rede Globo. Cabe agora ao Governador apurar os fatos e punir os vândalos fardados.

Muito cuidado com a manipulação da insatisfação popular!

junho 21, 2013

Eu venho dizendo isto desde o começo do movimento: muito cuidado com a manipulação da insatisfação popular – que é legítima e saudável – pelos velhos abutres de sempre! Muita atenção aos aproveitadores de ocasião, sejam as ridículas “viúvas da ditadura”, sejam os patifes saudosos do autoritarismo, ou sejam os direitistas e elitistas de sempre.

Tudo isso que está errado vem de muito tempo atrás!!!

junho 18, 2013

De certa forma, “tenho pena” da Dilma. Quero dizer, lamento que o rojão esteja estourando agora, no momento em que ela está no governo. Porque precisamos deixar bem claro, para quem não tem noção de absolutamente nada (os muito jovens ou os muito mal-informados) que os problemas da educação, da saúde e da política no Brasil NÃO COMEÇARAM NESTE GOVERNO. Isto deveria ser mais do que óbvio para todos, mas infelizmente não é.  O fato é que o PT está pagando o preço (merecidamente!!!) por ter frustrado praticamente TODAS as expectativas de seus simpatizantes/apoiadores (e EX-simpatizantes/apoiadores como eu). Esta frustração vem desde a época de Lula e de FHC também, que não fizeram nem metade daquilo que se esperava de ambos. O movimento atual, que está acordando e sacudindo o  povo de sua pasmaceira, não tem líderes, e isto é bom e democrático. Mas é preciso que aqueles que têm mais “estrada rodada” (experiência) informem aos neófitos e recém-chegados no movimento de contestação popular que aquilo contra o qual estamos lutando não é algo recente, nem é produto exclusivo do governo do PT (isto é o que a direita vai dizer logo logo ou já está dizendo agora). Tudo isso que está  errado vem de muito tempo atrás, são coisas que o Jango pretendia consertar e por isso foi covardemente arrancado do poder por velhacos e patifes. Queremos reforma política, reforma agrária, prioridade para a educação cidadã, direitos respeitados para os índios, trabalhadores do campo e das cidades e muito mais!!! A luta continua!!!

17 de junho de 2013

junho 18, 2013

17 de junho de 2013 é um dia que já entrou para a História do Brasil. Acho que ainda é cedo para dizer que o povo brasileiro acordou de seu sono letárgico em política. Mas é muito bom e muito bonito ver o povo na rua novamente, como eu vi – e participei – na época da luta pelas eleições diretas. Importante notar que o movimento não é capitaneado por partidos políticos. Ao contrário, são os partidos (os poucos legitimamente ligados ás lutas populares) que estão indo atrás do movimento popular espontâneo (o mote do “passe livre” é muito importante, mas o clamor popular já transcendeu esta reivindicação apenas). Pessoalmente, eu acho essencial que as manifestações consigam ser pacíficas; é muito triste ver o resultado contraproducente da ação impensada de alguns poucos destemperados. Vejam bem, não é caretice ou conservadorismo. Apesar de eu ser pacifista, sou a favor do uso da força para nos defendermos em caso de repressão violenta de um poder constituído ilegítimo. Mas sou totalmente contra depredações e vandalismos, que acabam desencadeando e “justificando” uma ação violenta das forças de repressão. Hoje, no RJ, tivemos dezenas de milhares de pessoas se manifestando pacificamente. Infelizmente, devido ao destempero de um número ínfimo de manifestantes imaturos – número provavelmente engrossado por alguns meliantes que comumente frequentam o Centro da cidade – corremos o risco de amanhã lermos notícias carregadas de preconceito e distorções na grande mídia burguesa.

Mudanças climáticas graves estão a caminho

junho 17, 2013

“Há um descompasso evidente entre a gravidade do aquecimento global e a falta de sentido de urgência entre os políticos, embora a ciência seja clara a respeito. Mudanças climáticas graves estão a caminho. Por que tudo continua “business as usual”? Porque o aquecimento global não é uma crise de consequências catastróficas imediatas como a dos mísseis nucleares soviéticos em Cuba em 1961, cujo desfecho aconteceria em dias. O tempo do aquecimento é elástico. Não há datas firmes a partir das quais se entra na irreversibilidade. A falta de premência mina a credibilidade dos cenários catastróficos. (…) Só a irrupção de uma crise pode deflagrar uma ação global”. – Ricardo Arnt, jornalista.

Lobo bobo

junho 17, 2013

“O Lobão faz o ‘marketing da porrada‘. Aparece criando polêmica. Mas isso não vai longe, porque não tem argumentos, tem só exclamações.” – Cacá Diegues, cineasta.

Trecho do artigo “Não espere muito do papa Francisco”, de Karen Armstrong, historiadora das religiões.

junho 17, 2013

“A escolha do nome Francisco comprova seu compromisso com um voto de pobreza. (…) Mas ele continua a ser conservador, escolhido pelo mais retrógrado dos papas, João Paulo II. Não espere muito do papa Francisco. Não só porque é difícil romper com a rigidez e a decadência do Vaticano, mas também porque seu perfil é austero. Ele não realizará as reformas radicais que a igreja católica precisa.” – Trecho do artigo  “Não espere muito do papa Francisco”, de Karen Armstrong, historiadora das religiões.

Trecho do artigo “Odeio o Brasil”, de Francisco Bosco

junho 13, 2013

Com seu conhecido brilhantismo e lucidez de sempre, Francisco Bosco traduziu em palavras um sentimento muito desconfortável que eu também venho sentindo há bastante tempo. Reproduzo a seguir um pequeno trecho de seu artigo intitulado “Odeio o Brasil”, cujo conteúdo integral eu recomendo como leitura obrigatória! O texto foi publicado em sua coluna semanal no jornal O Globo em 12/6/2013: “Continuamos sendo, por um lado, uma cultura livre dos terrorismos étnicos e religiosos que assolam boa parte do mundo, mas, por outro lado, o crescimento do poder dos monoteísmos ameaça essa que é uma de nossas poucas virtudes civilizatórias. Os evangélicos paranoicos, os cristãos obscurantistas e a direita monossexual à Bolsonaro vão ganhando terreno cada vez mais perigosamente. A PEC 99/11, que possibilita a entidades religiosas questionarem decisões judiciais, elevando os valores da fé a argumentos jurídicos, pode, se passar, ser um marco terrível da reação.

E tudo isso acontece, pasmem, num governo supostamente de esquerda, que muitas vezes facilita essas manobras e se esquiva o quanto pode de se pronunciar com clareza sobre temas civis fundamentais. À presidente Dilma parecem interessar apenas as questões relativas à economia; os posicionamentos do governo quanto a temas como casamento entre homossexuais e descriminalização das drogas são omissos ou conservadores.

Mas o mais grave ainda está por vir. Num momento em que a Humanidade precisa modificar sua intervenção no ecossistema, sob pena de não haver mais espécie humana, o Brasil aprova um Código Florestal catastrófico, os ruralistas mandam e desmandam no legislativo, a esquerda desenvolvimentista do PT insiste em construir Belo Monte – e is índios vão sendo assassinados, torturados ou relegados à mendicância (ou emparedados até o suicídio).”

De Mark Boyle, economista britânico

junho 13, 2013

“Todos nós conhecemos os benefícios do dinheiro. Somos informados disso constantemente desde o momento em que nascemos. Na realidade, porém, a experiência de 99% da população me diz que nada disso está perto de ser verdade. O pior de tudo é que, quando olhamos para os problemas do mundo, todos sabemos que esse tipo de cultura em que estamos envolvidos é o principal responsável por grandes problemas ecológicos, sociais e pessoais.” – Mark Boyle, economista britânico, autor do livro “O homem sem grana”  (Ed. Best-Seller)

O planeta aguenta?

junho 13, 2013

“Aproximadamente 16% dos países mais ricos do mundo são responsáveis por 78% do consumo total. Isso já ultrapassa o que o planeta é capaz de repor. Agora pensemos na certeza de que o número de pessoas que compram em alta intensidade irá aumentar nas próximas décadas. O planeta aguenta?” – Hélio Mattar, diretor-presidente do Instituto Akatu, ONG que se dedica à conscientização da sociedade para o consumo consciente.