Jogar cara ou coroa é melhor que testar em animais, diz artigo científico

Um artigo científico de 1983, intitulado “The lifetime feeding study in mice and rats – an examination of its validity as a bioassay for human carcinogens”, afirma que a taxa de eficácia dos testes em animais contra o câncer é tão baixa que seria melhor “jogar cara ou coroa”. A avaliação é do matemático David Salsburg, da empresa farmacêutica Pfizer, e foi publicada na “Fundamental and Applied Toxicology” (3:64).

Na publicação, David Salsburg cita uma compilação feita por Tomatis et al. (1978), à qual lista 26 possíveis carcinogênicos humanos. Porém, a taxa de detecção em roedores é baixa:

“Examinando todos os 26 compostos, apenas 12 (46,2%) demonstraram provocar câncer em ratos ou camundongos, após exposição crônica por alimentação ou inalação.”

O autor conclui:

“Assim, o estudo de alimentação durante o ciclo de vida em camundongos ou ratos parece ter menos de 50% de probabilidade de encontrar carcinogênicos humanos conhecidos. Com base na teoria da probabilidade, teria sido melhor jogar cara ou coroa.”

O Holocausto Animal

Publicação de 1983 já relatava fracasso dos testes em animais contra o câncer.

Ver o post original 168 mais palavras

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: